Dia D reúne milhares de famílias nas escolas de Marabá

23

Todas as escolas municipais de Marabá abriram as portas neste sábado, 12 de maio, para receber as famílias dos 55 mil alunos da rede. Uma vasta e diversificada programação foi preparada por cada unidade escolar para recepcionar os convidados. As ações de fortalecimento do relacionamento ocorreram tanto em escolas da cidade quanto do campo, mobilizando pais, responsáveis e líderes comunitários, inclusive celebrando o Dia das Mães, que transcorre neste domingo, dia 13.

O secretário municipal de Educação, Luciano Dias, avalia que as famílias atenderam em massa o convite das escolas e que os diretores, no final do dia, apresentaram balanço positivo das ações, com relatos de pais que elogiaram bastante a iniciativa. Na Escola José Flávio Lima, no Bairro Liberdade, foram registradas mais de mil pessoas participando das atividades do Dia D da Família na Escola. “Isso engrandece o trabalho que a Secretaria de Educação vem desenvolvendo em parceria com as escolas”, celebra ele.

O secretário acompanhou a programação em várias escolas da zona urbana, entre elas a Rio Tocantins (CAIC), que está em processo de transformação para escola militar. Lá, centenas de pais acompanharam a programação para conhecer como será o trabalho dos policiais militares em parceria com a equipe pedagógica. Foi apresentado o Plano de Segurança da Escola e discutidas as normas e funcionamento da escola militar, o que deverá ocorrer definitivamente a partir de agosto deste ano.

Ao falar para os pais do CMRio – como será chamada agora a Escola Rio Tocantins – o secretário Luciano Dias agradeceu o empenho do governo estadual e do prefeito Tião Miranda em abraçar o projeto do Colégio Militar, pioneiro no interior do Pará. “Acredito que com as ações em desenvolvimento, estaremos ajudando a formar pessoas melhores para o mundo e à nossa sociedade”.

O coronel Carlos Emílio de Souza Ferreira, diretor de Policia Comunitária do Estado do Pará, disse que a mudança já é perceptível no comportamento dos alunos do CMRio, que estão mais calmos e demonstrando mais respeito para com colegas e professores. Para ele, mesmo com a chega de policiais militares, a autoridade máxima na sala de aula continuará sendo o professor.

A diretora do CMRio, Hellen Nyde da Silva e Souza, revela que a autoestima dos alunos já está elevada e que os servidores encontram-se motivados com a parceria estabelecida. “O dia D foi pra receber as famílias e esclarecer ainda mais a mudança pela qual estamos passando e desmitificar algumas ideias como o papel da PM na escola, que chega para nos ajudar com as questões de disciplina e civismo. O trabalho pedagógico ficará a cargo da nossa equipe de professores”, ratifica.

CINEMA COM PIPOCA

Na Escola Doralice de Andrade Vieira, no Bairro Belo Horizonte, a programação organizada pelos educadores para o Dia D ofereceu até filme com direito a pipoca, como forma de unir os laços entre pais, filhos e professores. Além de palestras, os familiares dos alunos tinham várias opções de atividades, como sala de jogos com dama, dominó, xadrez, contação de história e exposição fotográfica. As famílias se revesaram para que participassem de tudo que a escola proporcionou a elas.

MOBILIZAÇÃO NO CAMPO

A diretora de Educação do Campo, Lorena Bogéa, também reconhece a importância da sensibilização realizada pela gestão das cerca de 100 escolas distribuídas nas comunidades rurais do município, provocando discussões sobre a necessidade de os pais manterem relacionamento mais estreito com os educadores para melhorar ainda mais o desempenho escolar de seus filhos.

Lorena avalia que a realização das blitze no trânsito em algumas vilas, com adesivação de veículos no dia anterior, contribuiu para atrair os pais para a escola no sábado.

As apresentações culturais dos alunos, palestras na área de saúde e exposições fizeram parte de um mix de atividades que atraíram o interesse das famílias. “Estive na Escola Ruan Pablo, na Vila Sororó, na companhia do vice-prefeito Toni Cunha, que proferiu uma palestra sobre a importância de fortalecermos os laços familiares para termos melhores resultados no desempenho dos alunos na escola”, explica.

A diretora de Educação do Campo conta que, em algumas escolas, a programação do Dia D foi realizada na véspera, sexta-feira, porque boa parte dos educadores era adventista do sétimo dia, os quais não trabalham aos sábados. “Respeitamos o direito à liberdade religiosa e o sucesso do evento foi garantido”, sintetiza Bogea.

Texto: Ulisses Pompeu

Fotos: Magno Barros

Quer deixar um comentário, preencha o formulário abaixo!

Please enter your comment!
Digite seu nome aqui